Colunas

Afinal, o que é o ‘As Built’?

Por:Renata Borges e Carolina Yamaguti

Essa expressão inglesa é muito utilizada por arquitetos e engenheiro na construção civil, e o seu significado ao pé da letra é “como construído”. Mas, afinal, para que serve?

Durante a construção de uma residência, por exemplo, o construtor segue à risca o projeto arquitetônico, mas também os complementares (elétrico, hidráulico, ar condicionado, entre outros), contudo é bem comum que o cliente mude de ideia “no meio do caminho”, como, por exemplo, colocar uma banheira na suíte, onde inicialmente foi projetado somente um box para chuveiro. Esse tipo de mudança acaba alterando o projeto arquitetônico, além dos projetos complementares, principalmente o projeto elétrico e hidráulico.

Quando isso acontece, os projetos precisam ser revisados, repensados e redesenhados para que se adequem à mudança e não venham a causar problemas futuros.

Todas as mudanças precisam ser registradas por meio do projeto de “As Built”, para que, futuramente, quando essa mesma edificação venha a passar por uma reforma, o construtor possa seguir o projeto de “As Built” com todas as alterações nele representadas e não o projeto inicial que estará desatualizado.

Seguir o projeto original poderia trazer grandes prejuízos, como a furação acidental de encanamentos, que é uma das coisas que mais acontecem em reformas onde não existem projetos de “As Built”, sem falar em tubulações de gás, o que colocaria em risco a edificação e a vida de seus ocupantes.    

O mesmo ocorre durante a vida útil de um edifício, quando reformas e adaptações são necessárias. Por isso, sempre exija o projeto de “As Built” de seu arquiteto/construtor.

Lembre-se que a finalidade de um projeto “As Built” é documentar as modificações de uma construção. É como uma “radiografia” do que foi efetivamente construído.