Colunas

Reações do mercado imobiliário na pandemia e as expectativas para o litoral

Por:Vinicius Nunes

Neste mês de julho completamos quatro meses de pandemia. Indicadores apontam reação positiva do mercado imobiliário. Segundo dados do Secovi-SP, a expectativa de retração em função da pandemia não se concretizou e que o meio virtual foi determinante para os números razoáveis em unidades vendidas e lançadas na capital paulista.

Segundo a Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), os financiamentos para construção e compra de imóveis somaram R$ 7,13 bilhões em todo país. Aumento de 8,2% frente a maio do ano passado.

O atual patamar das taxas de juros de financiamento imobiliário, abaixo de 8% ao ano, é justamente uma das principais alavancas que tem incentivado o investimento em imóveis. A concorrência entre as instituições e a oferta de diferentes vantagens, inclusive carência para pagar prestações, têm sido fatores decisivos para quem já estava pesquisando.

Como nem tudo são flores, o setor de locações vem atravessando dias difíceis. Negociações de contratos, inadimplências, descontos e devoluções de chaves estão colocando as administrações imobiliárias a toda prova. Neste momento é fundamental buscar um acordo e tentar minimizar os prejuízos para os envolvidos. O que se espera, diante do aumento da oferta de opções disponíveis no mercado e o cenário de recuperação econômica pós-crise, é uma adequação dos valores de aluguéis.

Pensando no futuro, é importante destacar que o excesso de tempo dentro de casa tem feito muita gente repensar o modo de viver. Seja pela vontade de fugir um pouco da correria do dia a dia ou dos novos formatos de trabalho em home office. O litoral e o interior têm percebido aumento significativo da procura.

Segundo dados do grupo ZAP, os compradores estão procurando imóveis maiores, que são mais baratos fora da capital, o que explica a queda na busca por apartamentos na maior cidade do país, que são mais caros e menores. Empresas estão se adequando ao novo modelo de trabalho, algumas fechando seus espaços físicos para operar remotamente, permitindo que as pessoas trabalhem em qualquer lugar, vivendo com um custo menor e mais qualidade de vida. Caraguatatuba já vem se mostrando como um dos destinos escolhidos por este público.

Vinicius Nunes – CRECI 145.140-F