Gente nossa

Talento e a persistência o tornaram referência na profissão

Tudo começou em São Paulo, aos nove anos de idade, quando já trabalhava em uma banca de jornal para ajudar a família. E foi folheando os periódicos da época que se encantou com as plantas humanizadas dos apartamentos à venda. Foi assim, ainda criança, que Robson Alves Martins descobriu seu maior talento, sempre incentivado pelos professores da escola e por sua mãe.

A falta de recursos para faculdade o fez cursar técnico de edificações numa escola pública. Robson estagiou no departamento de projetos da Telesp. Em 1993 se formou e no ano seguinte iniciou a carreira como desenhista em uma construtora.

O Gente Nossa desta 38ª edição da Revista Casa Praia nunca se acomodou. Fez cursos de aperfeiçoamento até se tornar coordenador do departamento de projetos em uma empresa de engenharia. “Embora feliz profissionalmente na área de telecomunicações, meu sonho era ser arquiteto e urbanista”, revelou Robson Martins.

Em 2001, com incentivo de sua esposa, começou a cursar a faculdade que almejava, mas quis o destino que uma nova pedra estivesse no caminho. Ele perdeu o emprego devido à crise econômica do país.

Mas ele não desistiu, digno de um homem vencedor, teve fé em Deus e correu atrás. Fez estágio em uma empresa de regularização fundiária e desenvolveu importantes projetos. Em 2005, com nota máxima em seu trabalho de conclusão de curso, realizou o sonho de se formar arquiteto e urbanista.

Já no ano seguinte teve a oportunidade de se mudar para Caraguatatuba para trabalhar no planejamento e controle da manutenção predial no Terminal Aquaviário em São Sebastião. “A área de Petróleo e Gás me trouxe crescimento profissional, afinal tive que estudar normas de segurança e procedimentos técnicos. Trabalhei no Consórcio Caraguatatuba durante a construção e montagem da Unidade de Tratamento de Gás (UTGCA) e na fiscalização da obra de recuperação estrutural do Píer do Terminal, realizada pela Construtora Queiroz Galvão e Concreto”, revelou Robson.

Sempre estudando, em 2012 concluiu o MBA em Gestão de Projetos e Obras no Centro Universitário Módulo, onde começou a lecionar em 2013 após convite de uma ex-professora.

Na sala de aula, ele leciona disciplinas de desenho à mão livre, de projeto arquitetônico, de restauro e patrimônio histórico, de conforto acústico, de luminotécnica e de patologias das construções para estudantes dos cursos de arquitetura e urbanismo e de engenharia civil.

Sua persistência e talento rendeu a oportunidade em 2019 de coordenar o curso de arquitetura e urbanismo no Centro Universitário Módulo.

Robson segue com seu escritório próprio, que tem como missão: Atender as necessidades e superar as expectativas dos clientes.

“A maior satisfação em minha profissão é poder influenciar de maneira positiva a vida das pessoas, planejando ou construindo espaços onde possam habitar ou desenvolver suas tarefas com conforto e segurança. A arquitetura deve ser para todos, por isso desenvolvo projetos exclusivos para cada cliente, segundo seus recursos financeiros. Afinal, o mesmo tijolo que constrói feio, pode construir algo com qualidade e  beleza”, palavras desse exemplo de profissional, que abrilhanta as nossas páginas nesta 38ª edição. Parabéns, Robson! Caraguatatuba tem orgulho de homens como você.